O piloto agrícola é uma profissão de futuro no Brasil. O site Canal Rural, do portal UOL, apontava em 2017 que um piloto agrícola poderia ganhar até R$120 mil por ano. O avião é geralmente utilizado em grandes explorações agrícolas para aplicação de fertilizantes ou produtos químicos, e os detentores da licença poderão trabalhar como empregados de uma grande empresa ou de forma autônoma.

De resto, o piloto agrícola tem opções de desenvolvimento de sua carreira. Ele pode mais tarde se especializar em combate a fogos florestais ou até “pular” para a aviação comercial ou a aviação executiva, pois boa parte de seu percurso já está feito.

O candidato deve fazer um curso, naturalmente homologado pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), que no final será a autoridade responsável pela emissão da licença. O curso deve ter pelo menos 400 horas de voo.

A modalidade mais perigosa

Ao contrário do que poderia se pensar, essa é a modalidade aeronáutica mais perigosa. Os aviões são mais pequenos e as velocidades mais reduzidas, mas o tempo que o avião passa muito perto do solo faz com que a porcentagem de erros seja superior. As estatísticas de incidentes com aviões agrícolas comprovam isso mesmo.

Entrevistado pelo Canal Rural, o piloto e gestor de segurança Thiago Texter falou isso mesmo: o piloto passa muito perto das árvores mais altas, de redes e outros obstáculos. E o foco de seu trabalho é exatamente esse, voar baixo todo o tempo. E não há espaço para cometer qualquer erro. Será por isso uma profissão tão bem paga?

Como conseguir ser piloto agrícola?

É necessário procurar uma escola de aviação e se informar. A EJ Escola de Aviação, o Aeroclube de Ibitinga e o Aeroclube de Ponta Grossa são apenas três dos muitos exemplos de entidades que dão a formação necessária para conseguir uma licença enquanto piloto agrícola e construir uma carreira profissional.